Vivescer ajuda professora a trabalhar com formação docente durante pandemia

Em um contexto de pandemia, como dar continuidade ao aprendizado, mesmo que a distância? E quando se trata de formação de professores, como manter um percurso educativo e relacionar a formação ao momento atual? Para responder essas e outras perguntas, a Vivescer conversou com Suzane Napolitano, coordenadora pedagógica e professora do magistério no Centro Educacional Ferreira Carvalho (RJ), na capital fluminense.

Seu relacionamento com a Vivescer começou em 2019, durante uma cerimônia de premiação de projetos na qual teve uma atividade reconhecida. Na ocasião, Suzane conheceu José dos Santos, professor de Língua Portuguesa do Ensino Fundamental 2 da Escola Municipal Maria Dias Trindade, localizada em Paripiranga, na Bahia e embaixador da Vivescer (conheça a trajetória de José aqui).

“O José, que já era embaixador da Vivescer, me contou sobre a plataforma e me mostrou no celular como funcionava. A partir de setembro de 2019, comecei a usar a ferramenta porque há uma troca de experiências muito valorosa”, explica Suzane. Desde então, a coordenadora usa a plataforma para publicar práticas de sala de aula e seguir os percurso formativos.

Professora Suzane NapolitanoOs percursos

Entre as jornadas disponíveis no site, Suzane já passou por duas – Mente e Emoções – e está cursando a terceira – Corpo. A que mais chamou sua atenção foi a jornada que trata sobre a Mente, uma vez que incentiva a reflexão sobre desafios e problemáticas do dia a dia, experiências cognitivas, estratégias de aprendizagem, e a importância de ter uma multiplicidade de perspectivas da vivência em sala de aula e do contexto escolar.

Atualmente, no meio da jornada sobre Corpo, Suzane relata sobre o desafio pessoal que é desacelerar e focar na sua própria calma e bem-estar. “Essa jornada fala muito sobre pararmos e olhar como o nosso corpo fala e responde. Tem sido um grande desafio, pois sou muito ativa e tenho dificuldade de ficar parada e mentalizar tudo. Confesso que comecei a prestar atenção em coisas que antes eu não percebia.”

Como conectar com o momento atual? 

Apesar do desafio que é operar em ensino remoto, Suzane reforça que adaptar os conteúdos da plataforma para a realidade atual é uma tarefa possível, uma vez que enxerga a Vivescer como uma ferramenta feita por e para professores. “Tudo na ferramenta faz muito sentido. Há uma relação de troca entre os professores, principalmente entre os embaixadores, com muita conversa e cada um falando o que dá certo em suas escolas. Assim, conseguimos enxergar novas possibilidades e ter ideias de práticas para a sala de aula, além de abordagens inovadoras com os alunos sobre diversos assuntos que não só conteúdo.”

Em um exemplo recente, Suzane afirma que fez um paralelo com uma atividade da jornada Mente que fala sobre escolas que rompem barreiras. Nesse momento, as instituições de ensino estão enfrentando inúmeros desafios diários, desde o principal que é a questão sanitária e da luta contra o novo coronavírus (COVID-19), até questões específicas de cada escola, como uso da tecnologia e reinvenção dos professores.

“A plataforma me dá o suporte, pois tiro conteúdos e consigo trazer para a realidade da pandemia. Fica muito fácil de adaptar as temáticas da plataforma porque tudo dentro da Vivescer é feito realmente a partir de experiências e de relatos de professores. Tudo é pertinente e tem a ver com o dia a dia de sala de aula”, afirma Suzane.

*Suzane dos Santos Napolitano é formada em pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Atualmente sou Coordenadora Pedagógica e Professora do Magistério no Centro Educacional Ferreira Carvalho (RJ). Foi premiada pelo Porvir como um dos Destaques do Desafio Diário de Inovações em 2019.