Ensino à distância: ferramentas que podem ajudar a educação em tempos de coronavírus

Desde 11 de março, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou estado de pandemia por conta da disseminação acelerada do novo coronavírus, o Brasil e o mundo assistiram a inúmeras medidas para frear o número de infectados, como o fechamento de escolas e universidades. A suspensão das aulas em mais de 102 países obrigou mais de 850 milhões de estudantes, entre crianças e adolescentes, a ficarem em casa, segundo um comunicado da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

Em diversas regiões do país, muitos professores e alunos enfrentam dificuldades dos mais variados tipos para acessar computadores e conexão à internet de qualidade para aulas ao vivo. Manter as aulas ainda que a distância é um cenário novo e que demanda esforços dos mais diferentes níveis, inclusive da administração pública. Entre inúmeros desafios, o momento apresenta a possibilidade de, no âmbito da educação, testar diferentes abordagens pedagógicas e avaliar o que funciona melhor para cada comunidade escolar.

Na lista, a Vivescer reuniu dicas de aplicativos, ferramentas e plataformas para mostrar como recursos digitais (alguns que já fazem parte do dia a dia do professor, em seu uso pessoal) podem facilitar a comunicação entre alunos, famílias e professores. Confira a seguir:

Photo Mix/Pixabay

1. Redes sociais

Redes sociais não são somente diversão. O WhatsApp, Facebook e até mesmo o Instagram podem servir a propósitos pedagógicos. No aplicativo de conversas, é possível ter grupos separados com os alunos e com as famílias. Já no Facebook, há a possibilidade de montar grupos fechados, que permitem tópicos de discussão. Já no Instagram, uma ideia é o professor criar um perfil exclusivo para seus alunos ou para as famílias – separado de seu perfil pessoal – e fazer transmissões online. Assim, fica mais fácil a interação com os estudantes ou realização de comunicados e dicas aos responsáveis. O Zoom, aplicativo gratuito de reuniões, também é uma opção para videoconferências com o corpo docente, alunos e famílias.

mohamed Hassan/Pixabay

2. Google

O Google for Education oferece inúmeras ferramentas que facilitam o processo de aprendizagem à distância, principalmente por permitir o login de professores e estudantes a partir de qualquer dispositivo com acesso à internet, além de salvar todas as alterações na nuvem. Com um leque de aplicativos e ferramentas gratuitas, o Google permite que estudantes trabalhem juntos de forma virtual e facilita o acompanhamento e devolutivas do professor, que pode usar outras ferramentas, como o Hangouts, para fazer videochamadas com o grupo inteiro. A criação de listas de e-mails, planilhas, formulários e documentos, armazenamento de arquivos e integração com outros aplicativos são algumas possibilidades da plataforma.

Dariusz Sankowski/Pixabay

3. ClassApp

Idealizado a partir de experiências pessoais de dois pais, o ClassApp é um aplicativo brasileiro criado em 2014 para facilitar o engajamento de famílias na rotina escolar. Com opções para o ensino básico e superior, a ferramenta possibilita troca de mensagens privadas e em grupos, envio de fotos, comunicação por e-mail para famílias não cadastradas no app, personalização de relatórios e outras funcionalidades, que compõem diferentes planos de acordo com o que a escola deseja. No período de suspensão das aulas em razão da pandemia, o ClassApp está com o uso liberado gratuitamente, uma oportunidade para instituições de ensino testarem a tecnologia.

Gerd Altmann/Pixabay

4. ClassDojo

Lançado em 2011, o ClassDojo atraiu, em pouco mais de dois meses, cerca de 35 mil professores nos Estados Unidos. A plataforma está em português, é gratuita e visa envolver toda a comunidade escolar ao oferecer funcionalidades a educadores (possibilitando compartilhamento de conteúdos e atividades com os estudantes), às famílias (que podem acompanhar as atividades dos filhos), e também a diretores de escolas, que conseguem emitir comunicados gerais, por exemplo. Algumas páginas e conteúdos estão disponíveis em português.

Foto principal: Colin Behrens/Pixabay