Voltar para Curso

EMOÇÕES

0% concluído
0 / 0 etapas
  1. Experiências Emocionais
    16 Atividades
  2. Estilos de Aprendizagem
    16 Atividades
  3. Conexão e Abertura
    16 Atividades
  4. Sistemas
    16 Atividades
  5. Avaliação
    1 Teste
modulo 1, Atividade 12
Em andamento

12. Práticas de Autocuidado 4 – O 3, 2, 1 da sombra

Progresso de modulo
0% concluído

Uma dificuldade pessoal ou uma sensação de muita irritabilidade  com algo ou com alguém – situações que costumam nos abalar muito emocionalmente – é chamada de sombra pela psicologia. Este exercício simples, chamado de 3, 2, 1 da sombra, pode te ajudar a ganhar equilíbrio e controle nestes momentos de irritação, abrindo uma porta para que você integre aspectos importantes da sua personalidade. No vídeo abaixo, você encontra o passo-a-passo desse interessante exercício. Se tiver dúvidas, entre em contato com a gente!

O que é a sombra?

Esse termo, usado e difundido por Carl Gustav Jung, tenta ser mais abrangente do que o termo “inconsciente”, defendido por Sigmund Freud. Refere-se às partes desconhecidas de nossa psique, e também àquelas de nosso mundo espiritual que são desconhecidas.

Nosso mundo é polar, tudo no Universo tem seu oposto: luz e sombra, dia e noite, em cima e embaixo, duro e mole, masculino e feminino, terra e ar, positivo e negativo, doce e salgado, homem e mulher etc. Nosso mundo psíquico e espiritual também é formado por uma parte luminosa e uma parte escura que, mesmo que não a vejamos, não quer dizer que não exista. Essa é a tarefa de cada ser humano: atravessar a vida terrena em busca da própria sombra, para levá-la à luz e trilhar sua vereda de cura.

A sombra pessoal é desenvolvida a partir da infância. Naturalmente, nos identificamos com certos aspectos, como a generosidade e a bondade, e, ao mesmo tempo, desprezamos seus opostos, que, neste caso, seriam o egoísmo e a maldade. Dessa forma, nossa luz e nossa sombra vão se constituindo de forma simultânea.

Roberto Bly dizia que passamos os primeiros vinte anos de nossa vida enchendo uma mochila com todo o tipo de vivências e experiências… E depois passamos o resto do tempo tentando esvaziá-la. Esse é um trabalho de reconhecimento da própria sombra. Se nos recusarmos a esvaziar a mochila, ela se tornará cada vez mais pesada, e, a cada tentativa de abri-la, mais perigosa. Dito de outro modo: não há alternativas no encontro com si mesmo. Ou questionaremos com sinceridade os aspectos mais ocultos, sofridos ou dolorosos, ou então esses aspectos procurarão se infiltrar nos momentos menos oportunos de nossa experiência.

Laura Gutman em A Maternidade e o Encontro com a Própria Sombra, da Editora Best Seller.