A importância de desconectar e recarregar energias para 2021

Mais do que rever práticas e realizar planejamentos para o próximo ano letivo, professores e demais profissionais da educação devem investir em momentos de descanso e relaxamento. Práticas de autocuidado podem ajudar a desconectar.

Corrigir provas e atividades, fechar notas, realizar o planejamento do próximo ano, pensar em boas mensagens para encerrar o ano letivo atual, trocar conteúdos e conhecimentos com colegas de profissão, sem deixar de lado a vida pessoal. A essa extensa lista de tarefas, soma-se a vivência durante uma pandemia mundial, que ajuda a explicar por que professores estão tão esgotados neste final de ano.

Todos sabem que 2020 não foi fácil. Desafios de diferentes tamanhos e naturezas interferiram na vida dos estudantes – desde crianças da educação infantil até adultos do doutorado –, dos professores, coordenadores, diretores e todos os profissionais da educação que, sem aviso prévio, precisaram migrar para o mundo online e lidar com uma realidade nunca antes vivenciada.

 

Vivescer: Que recomendação daria para o primeiro dia de trabalho em 2021?

Ao longo desses meses, a Vivescer ouviu diversos profissionais, conheceu práticas e atividades diversas, pôde testemunhar o amadurecimento dos docentes e seu empenho em lutar contra as adversidades e continuar estimulando o aprendizado de seus alunos da forma que foi possível. Por isso, com o Natal batendo na porta, é hora de descansar.

Por mais que saibamos que 2021 trará novos desafios na educação, que passam por uma (re)adaptação à vida na escola e ao ensino híbrido, além do planejamento de recuperação e reforço do aprendizado e muitas outras questões, agora é momento de recarregar as energias. Para entender a importância de realmente desconectar e relaxar, a Vivescer conversou com Marcia Epstein, psicóloga, multiplicadora de práticas meditativas, praticante da meditação budista e instrutora de “mindfulness” (atenção plena). Confira a seguir.

 

Vivescer: Por que é importante realmente tirar um momento de descanso total, sem realizar planejamentos para o ano que vem ou qualquer outra atividade nesse sentido?

Marcia: Entre outros fatores, a pandemia de Covid-19 tem gerado estresse, frustração e ansiedade. Sentimos medo de pegar a doença, sensação de solidão e isolamento por conta do distanciamento social e tristeza pela realidade dos outros. Além de tudo isso, os professores tiveram que se adaptar rapidamente ao ensino online, que requer mudanças na metodologia das aulas. O estresse intenso e duradouro pode abalar os mecanismos que protegem o organismo e quando tende a se tornar crônico, pode gerar quadros de ansiedade e depressão, conforme testemunham inúmeros psicólogos que

tiveram um aumento dessas queixas em seus consultórios. É importante dar ao corpo e à mente um momento de descanso total e tempo de se refazer, relaxar e se revigorar.

 

Vivescer: O ano de 2020 exigiu muito dos professores e demais profissionais da educação. O que essas pessoas podem ter em mente para finalizar o ano e aproveitar o descanso antes do retorno em janeiro?

Marcia: É importante entender que não é o estresse em si, mas a maneira como nós o percebemos e lidamos com ele que vai definir se a situação levará ou não a uma condição crônica de estresse. Para que isso não aconteça, é importante tirar um tempo para si e resgatar a saúde física e mental com uma dieta saudável; a prática de exercícios, respiração, relaxamento e meditação; respirar ar puro sem aglomeração; ler e dedicar momentos de atenção amorosa à família e amigos.

 

Vivescer: Fala-se muito da mentalidade de crescimento. Mas como adotar essa postura com resiliência?

Marcia: A mentalidade de crescimento, segundo pesquisadores, permite uma pessoa a viver uma vida menos estressante e mais bem sucedida. Fala-se em “mentalidade fixa”, ou seja, acreditar que nossas habilidades básicas, inteligência e talentos são apenas traços fixos em uma certa quantidade que nunca muda, e em “mentalidade do crescimento”, que é a ideia de que podemos aumentar a capacidade de nosso cérebro para aprender e resolver problemas. Ao contrário do que se pensava há algumas décadas, hoje sabemos sobre a neuroplasticidade, que é a capacidade do cérebro de mudar a si mesmo ao longo de nossas vidas, podendo crescer, se adaptar a novas situações e se fortalecer diante dos desafios. Então a maneira de olhar para momentos difíceis faz toda a diferença quando vamos responder a eles e no grau estresse que exigem. Adotar essa postura de mentalidade de crescimento tem menos a ver com resiliência e mais com a mudança de perspectiva e de olhar para os desafios.

 

Vivescer: Quais são algumas estratégias, dicas e práticas para realmente desconectar e aproveitar esse período para descansar?

Marcia: Eu, pessoalmente, trabalho com meditação e “mindfulness”. O cultivo da atenção plena ao momento presente pode levar à descoberta de amplos espaços de bem-estar, calma, clareza e discernimento dentro de nós mesmos, uma vez que, no geral, a nossa mente não está no momento presente. Nosso corpo está aqui, mas a mente está em outros lugares, dispersa, divagando de uma preocupação para outra, perdida em fantasias e problemas pessoais, constantemente buscando soluções. A prática meditativa promove a união de corpo e mente, o que traz enormes benefícios para a saúde física e mental.

Marcia: Os problemas de 2020 tendem a permanecer e até a se agravar em 2021. Por isso, é importante cultivar a resiliência, ter consciência de que tudo muda, que nenhuma situação dura para sempre e que, para prevenir o estresse crônico, devemos cultivar o autocuidado e nos tratar com muita gentileza e generosidade. Fazer pausas durante o dia de trabalho para praticar a respiração consciente pode ajudar muito.

 

—–

6 passos para começar a praticar a atenção plena à respiração

1) A partir de agora, comece a se conectar com a sua respiração, observando como o ar entra e sai de seu corpo. Você pode observar como seu abdome e o tórax se movem à medida que você respira. Caso queira, se for útil para você, você pode colocar uma mão no abdome, e outra, no tórax, para senti-los subir e descer;

2) Quais sensações você nota conforme inspira e expira? Você consegue perceber alguma pausa entre uma respiração e outra?

3) Não tente controlar ou mudar nada, apenas deixe que a sua respiração ocorra natural e livremente;

4) Permaneça assim por alguns instantes;

5) Quando estiver pronto, na próxima expiração, leve sai atenção para o corpo todo. Veja se consegue experimentar, eventualmente, uma sensação de plenitude e mantenha a consciência em tudo o que está sentindo conforme o ar entra e sai de seu corpo;

6) Permaneça assim por mais alguns instantes.

(Recomendação de Marcia Epstein a partir do livro “Mindfulness para Profissionais da Educação”, Editora Senac)

 

Crédito: Freepik