4 livros para inspirar a prática docente durante a pandemia

Livro aberto com silhuetas de crianças brincando sobre as páginas

 

A pesquisa “Sentimento e percepção dos professores brasileiros nos diferentes estágios do Coronavírus no Brasil”, realizada pelo Instituto Península, durante o período de suspensão das aulas em razão da COVID-19, demonstra que os professores estão mais propensos a usar seu tempo com estudos em detrimento do lazer. Na primeira etapa do levantamento, 60% dos respondentes afirmaram que estavam se dedicando a atividades relacionadas a cursos, preparação de aulas e estudos, enquanto na segunda etapa, 50% afirmaram dedicação a estudos de capacitação profissional e 62% às atividades da escola.

Muitos especialistas afirmam que as mudanças sistêmicas em diversos âmbitos da vida, incluindo a educação, pode ser uma oportunidade para repensar seu funcionamento e implementar alterações significativas nas metodologias para ensinar e aprender. Ao mesmo tempo em que professores precisam de um referencial teórico sobre essas novas metodologias, demandam dicas práticas que podem ser aplicadas no momento presente, com o ensino sendo mediado, na maior parte do tempo, pela tecnologia. Por isso, a Vivescer reuniu dicas de livros que podem inspirar a prática docente agora e render frutos de transformação na retomada das aulas presenciais. Confira a seguir.

Educação em quatro dimensões: as competências que os alunos devem ter para atingir o sucesso – Charles Fadel, Maya Bialik, Bernie Trilling (E-book gratuito)

Escrito por Charles Fadel, especialista em inovações para educação, fundador do Center for Curriculum Redesign e professor visitante de Harvard, o livro (disponível para download) parte do princípio que estudantes do século 21 precisam desenvolver quatro competências para atingir o sucesso: conhecimento (o que sabemos e compreendemos), habilidades (como usamos o que sabemos), caráter (como nos comportamos e engajamos no mundo) e meta-aprendizado (como refletimos e adaptamos). Segundo diversos especialistas, sistemas educacionais estão falhando em preparar os alunos para se adequarem ao mundo presente e futuro, o que acontece por diversos motivos.

Entre exemplos de casos internacionais e análises sobre o conceitos que circundam a educação, o autor cita a importância de reavaliar currículos pedagógicos pois, ao mesmo tempo em que o conhecimento é essencial, deve-se analisar o que é relevante em cada área para que o currículo reflita as prioridades da aprendizagem e não sobrecarregue estudantes já sobrecarregados. Para Fadel, a matriz das quatro competências pode facilitar o processo de organizar a ampla gama de objetivos educacionais e criar uma forma de organização mais clara, priorizada e útil.

Ensino Híbrido. Personalização e tecnologia na educação – Lilian Bacich, Adolfo Tanzi Neto e Fernando de Mello Trevisani

Mesmo que a tecnologia faça parte das vidas pessoais de bilhões de pessoas, jovens adultos, por exemplo, cresceram ouvindo seus professores dizerem que a sala de aula não é lugar de celular. A pandemia do novo coronavírus deixou claro que a educação pode, sim, se beneficiar do uso de equipamentos eletrônicos e da internet, desde que com uma intencionalidade pedagógica. No livro Ensino Híbrido, os autores reforçam, entretanto, que o conceito vai além de mesclar tecnologia e a educação formal, e compreende a adoção de diferentes configurações de espaço, formas de aprender, metodologias, currículo mais flexível e outros.

A publicação analisa os dois caminhos seguidos pela educação em seu processo de aprimoramento, evolução e adequação aos novos tempos e demandas. De um lado, estão as alterações progressivas, onde o modelo de disciplinas é mantido, mas o aluno é mais estimulado a se envolver. Do outro, um caminho considerado mais inovador, sem disciplinas e mudanças no currículo, espaços físicos e metodologias utilizadas, priorizando o aprendizado no ritmo de cada criança. Esse modelo dá ênfase à realização de um projeto de vida, por exemplo, além do desenvolvimento de valores e competências amplas de conhecimento e socioemocionais, assim como o equilíbrio entre o aprendizado individual e em grupo.

Preparando os Professores para um Mundo em Transformação. O que devem aprender e estar aptos a fazer – Linda Darling-Hammond, John Bransford

Para os autores, a prática profissional do ensino envolve três áreas gerais de conhecimento, habilidades e disposições que são importantes para qualquer professor adquirir: o conhecimento dos alunos e seu desenvolvimento nos contextos sociais, o conhecimento do conteúdo das disciplinas, habilidades a serem ensinadas e dos objetivos curriculares, e o conhecimento do ensino do conteúdo, dos alunos em sua diversidade, da avaliação e do gerenciamento da sala de aula.

O livro traz referência de diversas fontes e pesquisas para sublinhar a importância dos professores, sua responsabilidade a partir do momento em que escolhem o ensino como profissão e o efeito que exercem sobre o desempenho de seus estudantes. Os autores também pontuam que é possível aprender conhecimentos e habilidades para aprimorar a prática docente e, ao longo de cinco capítulos, abordam aspectos da sala de aula, como currículo, avaliação, gestão da sala de aula e outros. Aspectos como a necessidade de colaboração entre docentes também são analisados ao longo do texto.

Formando Mais que um professor. A essência do ensinar e como impactar a aprendizagem de todos os alunos – Elizabeth Green

Depois de escrever textos jornalísticos sobre educação durante alguns anos, Elizabeth passou a discordar sobre grande parte das metodologias e formas de funcionamento da educação sobre as quais escrevia. O livro “Building a better teacher”, que em português chama-se “Formando mais que um professor”, traz alguns conceitos que a jornalista desenvolveu, como o mito do professor que nasce com essa habilidade “natural”. Para ela, é errado categorizar professores como bons ou ruins, uma vez que ensinar é uma habilidade que requer conhecimento especializado.

Essa “lacuna de entendimento” estaria afetando as políticas educacionais, segundo a autora. O livro foi construído com base em histórias que têm o potencial de desconstruir essa compreensão, como uma dupla de professores que tomou uma abordagem não convencional de ensino para influenciar seus colegas de profissão: eles gravaram suas aulas durante um ano, mantiveram registros próprios e de seus alunos e também possibilitaram que pesquisadores entrevistassem os alunos. Segundo Elizabeth, isso fez com que outros professores pudessem entender como os dois docentes pensam no momento de lecionar e como os estudantes absorvem o conteúdo.

Confira a lista completa de obras indicadas pelo Instituto Península.

Foto: Jannoon28/Freepik